• VeganBio Factory
  • VeganBio Factory
  • VeganBio Factory
  • VeganBio Factory
  • VeganBio Factory
  • VeganBio Factory
  • VeganBio Factory

VeganBio Factory

SKU: VB_F
O produto estará disponível para compra brevemente.

    

 

Descrição do Projecto de Empreendedorismo

Antes de mais cabe introduzir os conceitos veganismo e vegetarianismo. Veganismo é uma filosofia de vida motivada por convicções éticas com base nos direitos animais. Este termo foi introduzido na sociedade em 1944 por Donald Watson, fundador da Vegan Society, quando este procurava criar um movimento vegetariano livre de produtos lácteos e ovos. As pessoas que seguem este tipo de dieta não ingerem qualquer produto de origem animal.

Esta filosofia de vida não se resume só à dieta mas a todo um estilo de vida livre de produtos de origem animal, no entanto, o presente estudo centra-se exclusivamente na alimentação.

A oferta alimentar vegan nas cadeias de supermercados/hipermercados como ponto de venda ao consumidor final é muito limitada. A maioria das comidas que não inclui carne ou peixe contém ovos, leite ou mesmo gordura de origem animal, tornando assim muito difícil e limitada a escolha para os vegans.

O vegetarianismo enquanto conceito assente no imperativo moral “Não matarás para comer” teve o primeiro impacto na história na Índia e na Grécia sensivelmente ao mesmo tempo, por volta de 500 a.C., na época de Buddha e Pitágoras (Spencer, 2000, p. xi). Os vegetarianos podem ou não ingerir productos lácteos e/ou ovos.

A oferta neste caso é maior mas ainda assim muito restrita.

Não se encontra muito mais do que saladas e sopas no que diz respeito à ideia de que as cadeias de hipermercados tem da comida vegetariana, tornando a escolha alimentar muito aborrecida e algo limitada. Este projecto visa criação de uma fabrica de alimentaçao vegetariana e Vegan biologica.

O nome da fabrica será “Vegan Bio”, em Inglês para a palavra vegetable organic. Inicialmente está prevista a abertura de uma unidade de produçao na Zona Industrial de Sao Pedro da Torre, Valença do Minho, com possibilidade de futura expansão.

A escolha de Sao Pedro da Torre, para instalaçao de raiz da unidade de produçao, esta indexada a excelente localizaçao geografica e territorial que possui acessos rodioviarios directos a A3 com ligaçao a A1 (Porto/Lisboa) ao Norte de Espanha pela AP9 (Galiza) que tem derivaçao a A6 com direcçao a Salamanca, Madrid e outras zonas territoriais espanholas de interesse estrategico como target da produçao da fabrica Vegan Bio.

Existe ainda a linha de comboios com intersecçao entre o Norte de Portugal e Espanha para o caso de transporte da produçao bem como os portos Porto e Vigo para transporte maritimo da produçao a nivel transnacional.

Esta futura fabrica vem preencher uma lacuna existente no mercado de produçao interno portugues em materia de produtos alimentares processados Vegan e Biologicos. A Vegan Bio pretende acabar com o mito de que a comida vegetariana se resume a saladas e comida sem sabor promovendo a produçao de alimentaçao vegan elaborada a partir de materia prima de origem agricola biologica certificada proveniente de exploraçoes agricolas portuguesas. Existe um vastíssimo leque de opções alimentares numa dieta vegan ou vegetariana, sendo que o sabor, depende do condimento que se usar.

Visão 

A nossa visão é ser a solução e a opção ao nível de comida vegan bio para venda nas cadeias de supermercados/hipermercados liderando o mercado nacional futuramente.

Missão 

A nossa missão consiste em conceber, desenvolver e produzir alimentaçao vegan bio de elevada qualidade criando valor para os nossos clientes. Apoiar e incentivar iniciativas que promovam uma alimentação saudável e o desenvolvimento sustentado do planeta.

Valores  

Os nossos valores são a integridade e honestidade, profissionalismo e rigor, inovação e melhoria contínua.

Em primeiro lugar vamos definir em linhas gerais o plano de negócios. De seguida será realizado um estudo de mercado e por fim a análise de mercado, o plano de marketing e o plano financeiro, estudo de viabilidade e de sensibilidade.

Plano de Negócios

No que diz respeito ao plano de negócios seguimos o proposto por Osterwalder et al (2013), o modelo de negócio assenta em nove blocos constitutivos básicos que cobrem as quatro principais áreas de um negócio: clientes, oferta, infraestrutura e viabilidade financeira. Segmentos de clientes

• Nicho de mercado: O público vegetariano, e principalmente vegan. Target escala global.

• Segmentado: As motivações e necessidades de cada cliente são diferentes. Os clientes vegetarianos/vegan têm diversas motivações como saúde, religião, preocupação com as questões ambientais, compaixão pelos animais e pelo planeta. Queremos também chegar a um público que, apesar de não ser vegetariano/vegan, goste de provar coisas novas e possa incluir os nossos produtos na sua alimentação do dia-a-dia. Propostas de Valor Em termos de propostas de valor a empresa pretende entregar ao cliente um produto saudável e de qualidade que vem resolver o problema da oferta limitada de comida vegetariana/vegan disponível nas superficies comerciais.

Será um produto vegan delicioso, saudável e a um custo acessível.

Actualmente não encontramos nas superficies comerciais alimentaçao vegan biologica vegetariana/vegan. A oferta disponível resume-se quase sempre a saladas, sanduiches e massas com vegetais, que contêm normalmente produtos lácteos, não satisfazendo o público vegan. As nossas propostas de valor são:

Novidade: Será a primeira cadeia de comida exclusivamente vegetariana/vegan de produçao biologica em Portugal.

• Desempenho: Aposta na qualidade e no apoio ao cliente de modo a sermos reconhecidos pelo nosso desempenho e pela qualidade dos produtos.

• Adaptação ao cliente: Um dos produtos base vai ser o hamburger vegetariano que o cliente pode compor ao seu gosto acrescentando diversos complementos e molhos vegetais.

• Preço: Será semelhante aos preços praticados pelas cadeias de supermercados/hipermercados a operar nas diversas latitudes geograficas.

• Conveniência: Unidade fabril projectada de raiz, perto de vários parques empresariais e, de todos os eixos rodoviarios de maior relevancia para permitir o rapido transporte dos produtos para os locais de venda sem alteraçao das propriedades organolepticas e de nutrientes dos produtos.

• Canais: O principal canal será próprio e indirecto, Teremos outro canal próprio directo, as vendas online com entregas globais numa fase posterior.

• Relações com os clientes: Na fabrica o modelo é de assistência pessoal do atendedor ao cliente.

• Fluxos de rendimento: O fluxo de rendimentos provem da venda de activos, neste caso produçao de alimentos vegan bio. O mecanismo de fixação de preços é um mecanismo de preços fixos onde existe uma lista de preços para cada produto.

• Recursos-Chave: Os nossos recursos-chave são físicos (a fabrica e ponto de venda, tal como todo o material de produçao alimentar) e humanos (nossos trabalhadores).

• Actividades-chave: A nossa actividade-chave, aquela que nos permitirá criar e oferecer uma proposta de valor aos clientes e consequentemente obter rendimentos, é a produçao da comida vegetariana/vegan de qualidade.

• Parceiros-chave: Os nossos parceiros-chave são os nossos fornecedores, pois é na matéria-prima que podemos conseguir reduzir alguns custos com melhores contratos de fornecimento.

• Estrutura de custos: O nosso modelo de negócio centra-se na criação de valor, é o que chamam Osterwalder et al (2013, p. 41) uma estrutura de custos movida pelo valor.

O projecto vai centrar-se na criação de valor, de produtos alimentares vegan bio saudáveis de qualidade.

Questões Humanitárias

Uma questão geralmente esquecida quando se fala nas consequências da nossa alimentação é a questão humanitária.

A quantidade de cereais que é utilizada na alimentação dos animais destinados à alimentação é muito desproporcional em relação à quantidade de carne que se obtém, são precisos sete quilos de cereais para produzir um quilo de carne (Nicolaas G. Pierson Foundation, 2008).

Se os mesmos cereais fossem utilizados na alimentação das populações, principalmente das carenciadas, o ganho seria muito superior uma vez que 40% a 50% dos cereais produzidos são destinados à alimentação dos animais que consumimos (Nicolaas G. Pierson Founadation, 2008). De modo que deixar, ou comer menos, carne não influência apenas a nossa saúde mas também a das populações mais carenciadas.

Enquadramento teórico

O corpo é o nosso Templo “Todos conhecemos pessoas que têm cuidado com a alimentação e mesmo assim ficam doentes, e conhecemos pessoas que comem qualquer coisa velha e parecem prosperar. Mas isso altera o facto de que temos muito mais hipóteses de ter uma vida saudável e corpos vibrantes quando comemos mais conscientemente e fazemos escolhas mais saudáveis?” (Robbins J. , 2010, p. 13).

Juntos de forma colaborativa e com amor universal que sentimos pela necessidade de consolidar as vias para a sustentabilidade do ecossistema natural e humano vamos realizar a transiçao para a economia circular e potenciar a reestruturaçao da Saude Planetaria! Uma missao conjunta e global!

Devemos ainda demonstrar publicamente a nossa gratidao por todas as pessoas que canalizaram a energia para nos acompanhar nesta fase inicial e toda a energia recebida que seguramente sera expandida e retornara a sua base com os melhores resultados nesta aventura que patrimonio da Humanidade!

Obrigada. 

Work in progress!

Vegan Bio HQ GateKeepers